Bolhas Bloguistas

NÓS! Literalmente nós! Nós vamos bem com caviar, ao almoço e ao jantar. Estamos bem e a melhorar. Ninguém nos pode parar e Nós sempre a borbulhar. bolhas_bloguistas@yahoo.com.br Um espaço aberto a toda e qualquer futilidade...

quinta-feira, julho 20, 2006

Macau é...

Queridinhas,
Não conseguem imaginar o quanto ando saturada de obras... Quase à beira de um ataque de nervos!!! Acabaram de me tapar a vista que tinha sobre o Delta do Rio das Pérolas. Já não aguento mais barulho, poeira, trânsito e lama. Tudo por causa da malfadadas obras em Macau, oxalá acabem depressa!

Para me lembrar porque gosto tanto de Macau (sem obras) e porque já aqui pus um texto do MST sobre Campo de Ourique, vou enunciar quase todas as coisas que me fazem gostar tanto desta piquena região (?!), ou melhor deste sítio com mais de 17KM2. Sim, porque é uma aventura ver que a àrea de Macau ( 澳門 lê-se Ou Mun) está sempre a crescer... Para quem não sabe muitos Km são aterros (estaca). Peculiar mas depois de cá estarmos habituamo-nos, afinal estamos em Macau!!!

Aqui entre nós, penso que aquele velhote (pseudo intelectual) que escreve no público não gostou de Macau (está no seu direito) porque não teve oportunidade de ir ao Jardim de Camões (onde os velhinhos fazem tai chi e antes da gripe das aves passeavam as gaiolas com os passarinhos), não comeu tau fu fá, não foi ao Tin Tins, a São Lázaro, nem ao DD e à passerelle do Lisboa onde quase todas as mulheres são de porte duvidosos mas muitíssimo sexys... Pode ser que para a próxima consiga achar alguma piada a Macau... Claro que nunca se poderá comparar a Paris. Nenhuma cidade asiática é comparável a Paris por não serem realidades similares, é um disparate seuqer tentar.
Para não me esquecer no meio de tantas obras porque gosto de aqui estar (posso estar distraída e esquecer-me) para mim Macau é:

o barulho dos Iam Chás e as aulas colectivas nos jardins de tai chi,
hou fan, dim sam, siu ngá, xá siu, tau fu fá, porco tamarinho, min chi, natas e bolo menino.
Amor e Dedinhos de Pés,
as pequenas e barulhentas ruelas com verdes dos vegetais bem arrumados,
o ar calmo e melancólico dos velhos nos jardins rodeados de gaiolas,
tap in lou em família,
o cheiro do arroz, do mofo e do incenso e o céu quase sempre cinzento,
a praia grande e a meia laranja,
a falta de regras de trânsito, que falta de civismo...
Okla, aia, ai la, mou men tai la, sorry la,
os erros ortográficos em português,
especialistas em quedas e pancadas,
bons espectáculos artísticos e os os andaimes de bambu,
os Thunders, a Tuna Macaense e os doci papiacam di Macau.
Lou Lim Ieoc e o comércio tradicional,
a dança do leão, escapadelas à hora de almoço para ir aos tin tins,
Sopa portuguesa e pou có cai da melhor cozinheira chinesa do mundo,
encontrar sempre amigos, jantares improvisados para 20,
o sítio onde tive a tremenda sorte de me deparar com o meu Mr. Big Mr. Right,
Hong Kong aqui tão perto,
os juncos e as sampanas e passeios de barco até escurecer (obrigada),
muitas viagens,
o nosso Kum Iam Tong,
passeios por S. Lázaro,
os verões de infância com a família e muitos mergulhos na àgua barrenta de cheok wan,
o Hyatt,
a calma dos templos,
compras e compras,
o Liláu,
a nossa casa, o nosso espaço, o meu trabalho,
espanta espíritos no cemitério,
o culto dos antepassados e muitos feriados,
pontos de vista com calçada portuguesa,
aquele place muito bonito.
VERDADE?!

9 Comments:

Anonymous Anónimo said...

E ainda ninguém comentou este post? Que infâmia!
Tirando a parte pessoal, concordo inteiramente. É preciso é conseguir ver Macau para além da bruma, o que nem sempre se consegue. E eu sei, que passei muito tempo sem conseguir ver bem!
Bjs

11:02 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Calma Bolha Mor, assim Macau até parece o paraíso que não é... Vá ler o Eduardo Prado Coelho que explica bem o lado negativo da Região. Claro que tem prós e contras como todos os sítios do mundo. Nem tanto ao mar nem tanto à terra. Ao contrário do Prado Coelho que só focou os contras a Bolha Mor focou demasiado os prós e esqueceu-se de muitos contras.
Esta é a minha opinião pessoal.

4:38 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Adorei Macau!

4:39 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Para se gostar de Macau é preciso perder tempo. Se for pela rama só vemos cimento, casinos, pontos turisticos cheios de gente, barulho, obras, poluição. Alguma traça colonial. Poucas casas antigas chinesas. Quase nenhum restauro. É preciso sentir e viver macau para se conseguir chegar à sua essência!

4:42 da tarde  
Anonymous Balicha said...

Onde é o DD e a passerelle do Lisboa???

4:58 da tarde  
Anonymous António said...

Cada vez menos feriados...

4:59 da tarde  
Anonymous Maria said...

Em Macau uma pessoa sente-se em casa...

4:59 da tarde  
Anonymous Mónica said...

Cheira muito mal Macau

6:11 da tarde  
Anonymous Filipe said...

Nas ruelas parece que estamos no "in the mood for love".

6:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Counters
University of Phoenix Pimp MySpace.com
Number of online users in last 3 minutes